(poesia visuAL / "A Tática: Futebol" / Série "Futebol em Movimento")

( poesia visual / "Copa do Mundo" / Série "Futebol em Movimento" )

segunda-feira, 14 de maio de 2012

“ - VERDÃO, ÊH! ÔH !!! ”


Caríssima Leitorcedora Esmeraldina,
Caríssimo Leitorcedor Esmeraldino,

Voltamos!

Por enquanto, voltamos ao posto mais alto do Futebol Goiano.
Resta voltar para a Série A e a trajetória (longa e difícil!) começa já no próximo sábado.

Neste meio tempo, seguimos na Copa do Brasil e – quem sabe? – o uniforme que o Goiás escolheu para homenagear o Estado de Goiás continue dando sorte (e confundindo os olhos dos adversários) e leve o Nosso Goiás a mais uma decisão. Impossível? Claro que não. Seria impossível se o Wellington Saci ainda estivesse aqui no Goiás.

(realmente, o tal do Wellington Saci me deixou tão traumatizado, que até comemorando o Goianão’2012, eu ainda me lembro(?!) dele...)

Neste Goianão’2012, o Goiás esteve – com exceção de uma rodada – na primeira colocação, chegando às semi-finais com vantagem (de dois resultados iguais) e, mantendo esta vantagem para a Final, que foi contra o Atlético Goianienese. Por seu lado, o Atlético Goianiense chegou com legitimidade à Final, alcançando uma pontuação distante apenas um(1) ponto do líder Goiás.

O Goiás tinha pela frente um adversário forte, uma equipe que nos últimos anos mostrou uma vocação para jogar no ataque e que acumulava o Bi-Campeonato Goiano. E uma novidade, na reta final do Goianão: a contratação do Técnico Adilson Batista que já treinou equipes como Corinthians, Cruzeiro, Santos e São Paulo (para citar apenas alguns), ou seja, um técnico experiente e respeitado nacionalmente.

E o que que o Goiás “ofereceu” ao longo do campeonato? O Goiás com o “novato” Enderson Moreira foi “arrumando” o time dentro do Campeonato Goiano, ajustando as novas peças com as antigas. O resultado disto foi um time rápido do meio de campo para a frente, liderado pelos experientes Harlei, Iarley, Amaral e pelo “xerifão” Rafael Tolói, com a presença dos jovens (mas não debutantes) Ernando, Valmir Lucas e Felipe Amorim. Dentre as novas peças que chegaram, Peter, Egídio, Thiago Mendes, Ramón, Thiago Humberto e Ricardo Goulart ocuparam espaços importantes.

Para esta decisão, não tinha favorito, assim como fora na decisão de 2011. A diferença é que a “vantagem” deste ano mudara de mãos: a vantagem que, em 2011, era do Atlético Goianiense, agora em 2012, passou a ser do Goiás.  

Poderíamos lembrar que – nos dois confrontos da fase classificatória – o Goiás venceu ambos, mas isto não o configurava como favorito na final.

E foi uma final emocionante, que foi decidida nos detalhes.

Foram os seguintes, os “detalhes”: nenhuma equipe conseguiu vencer e, desta vez, o Goiás foi o Campeão.

Na primeira partida, 2 x 2, com o Goiás “cedendo” o empate por duas vezes; na segunda partida, 1 X 1, foi a vez do Atlético Goianiense “ceder” o empate.

Na primeira partida, o ACG não aproveitou que o Goiás vinha “cansado” de uma disputa de Copa do Brasil (na quinta-feira, fora de casa, retornando a Goiânia, na sexta, dois dias antes da primeira partida da final). Na segunda partida, o técnico Adilson Batista recuou o time no segundo tempo, na tentativa de segurar a vantagem de 1 a 0 conseguida no primeiro tempo. Uma aposta, que poderia dar certo. Adilson Batista “chamou” o Goiás para cima e a esperança (óbvia!) seria a de “matar” a partida com mais um gol, num contra-ataque. Contudo, este contra-ataque não aparecia. O Goiás “montou” em cima do campo do Atlético e ganhava a “segunda bola” no meio de campo. Mas o gol de empate não saía e a estratégia de Adilson Batista estava dando certo.

Estava. Até os 28 minutos do segundo tempo.

Quando Ramón empatou a partida. Um golaço destes de destruir as forças do adversário. Destes de mandar a torcida adversária mais cedo para casa.

Veja o Golaço do Título em http://www.youtube.com/watch?v=B31BGKnraTw .

Veja a Taça de Campeão Goiano de 2012 lá na Serrinha.


AL-Braços
AL-©haer

pêésse: não nos enganemos...sabemos que o Goianão não serve de base para dizer como será o desempenho do Goiás na Série B de 2012...a rigor, não fizemos mais do que a obrigação...para que esta conquista sobre uma equipe de Série A nos dê confiança para enfrentarmos – mais uma vez – uma Série B...

Um comentário:

Bráulio Vinícius disse...

Ótimo post Chaer.
Penso que a estratégia do técnico do Atlético foi infeliz pela formação do elenco ao longo do campeonato e também pela escalação do segundo tempo.
Parabéns ao Goiás e boa sorte na Copa do Brasil.